Um estudo europeu prevê uns novos “loucos anos 20” no pós‑pandemia

A procura será forte em toda a Europa em termos de eventos sociais assim que as restrições forem levantadas

Um estudo europeu prevê uns novos “loucos anos 20” no pós‑pandemia

La Perle, atração turística, 2021

Estudo europeu prevê uns novos “loucos anos 20” no pós‑pandemia

Novo estudo a nível europeu encomendado pela Epson, o maior fabricante global de projetores [1], revela que haverá uma forte recuperação no setor de eventos quando as medidas de confinamento forem finalmente levantadas. O estudo, que foi concebido com a ajuda de um psicólogo reconhecido e especialista no impacto das pandemias no comportamento social, sugere que os europeus vão entrar numa vaga de entusiasmo pós-pandemia de eventos organizados, como festivais, concertos, entretenimento ao vivo e atrações turísticas.

A Epson é o maior fabricante mundial de projetores, com mais de um terço da quota de mercado mundial dos projetores. Os seus projetores laser de elevados lumens são utilizados para criar ambientes experimentais envolventes e interativos para eventos e atrações turísticas. A Epson encomendou um novo estudo para avaliar como o setor de eventos europeu iria responder à procura por parte dos consumidores no pós-pandemia.

O resultado mais promissor sugere que a procura por eventos será ainda mais forte após a pandemia do que antes do início das restrições. Uma proporção elevada (83%) está a planear ir ao mesmo número ou mais de eventos assim que as restrições de confinamento forem levantadas e, entre aqueles que planeiam participar em mais eventos, mais de metade (56%) disse que iria a mais eventos porque “a vida é curta” e querem “recuperar o tempo perdido”.

O inquérito realizado a 2500 consumidores que vão a eventos em toda a Europa (abrangendo o Reino Unido, França, Itália, Espanha e Alemanha) revelou que quase nove em cada dez (89%) disseram que sentem falta de eventos organizados e mais de nove em cada dez (92%) disseram que estavam ansiosos por participar nos novos eventos assim que as restrições forem levantadas.

O sentimento de “a vida é curta” ressoa mais forte entre os Baby Boomers, a Geração Silenciosa (63%), as mulheres (61%) e é mais elevado em Itália (61%). Mais de metade disse também que os eventos sociais são “bons para a alma e fazem-me feliz”, o que é especialmente verdade em Espanha.

O inquérito foi concebido com a ajuda do Professor Steven Taylor. [2], um psicólogo que estudou o impacto das pandemias no comportamento social humano.

“O inquérito indica que a esmagadora maioria das pessoas estão ansiosas por retomar as suas vidas sociais pré-pandémicas, o que inclui participar em eventos ao vivo”, comentou o Professor Steven Taylor. “Isto destaca o facto das pessoas serem resilientes e que a maioria irá recuperar para os seus níveis de socialização pré-pandemia, independentemente de como se estão a sentir neste momento.

“As pessoas vão querer sair e socializar e esta mudança vai acontecer rapidamente. Na verdade, espero que haja um período curto de hiper sociabilidade, um tipo de mini loucos anos 20, enquanto as pessoas recomeçam a socializar. Os eventos ao vivo terão um papel importante nisto”.

A análise das conclusões do Professor Steven Taylor também sugere que as pessoas podem ter subestimado a sua vontade de participar em eventos ao vivo, e o retorno será ainda maior do que o previsto. 

“O estudo mostra que as pessoas não são boas a prever o que as fará felizes”, explica o Professor Taylor. “Parte disto deve-se ao efeito de ancoragem, que ocorre quando as pessoas fazem previsões sobre o futuro e o fazem com base no seu humor e sentimentos atuais.

“Atualmente, as pessoas estão num estado de fadiga pandémica, sentem-se stressadas e algumas sofrem baixos níveis de depressão, o que introduz um nível de efeito de negatividade quando pensam nos seus planos futuros. Deste modo, é provável que as pessoas estejam a sobrestimar a sua ansiedade em relação à participação em eventos. Embora algumas pessoas fiquem ansiosas à primeira ou segunda vez que vão a um evento, é provável que as suas ansiedades se dissipem rapidamente. A maioria das pessoas irá recuperar. Isto foi o que aconteceu no passado e acontecerá novamente”.  

Neil Colquhoun, Vice-presidente de Sistemas de Projeção Profissionais na Epson Europa, acrescentou: “A indústria dos eventos precisa de se preparar para um aumento sem precedentes da procura assim que o confinamento terminar. É provável que a recuperação seja ainda mais forte do que as pessoas imaginam.

“O estudo diz-nos que, entre os consumidores que participaram num ou mais eventos durante os últimos dois anos, quase todos sentem falta da participação em eventos, estão ansiosos por ir a novos eventos e estão a planear ir ao mesmo número ou mais de eventos assim que o confinamento terminar.

“A indústria dos eventos sofreu durante o confinamento, mas este estudo mostra que há luz no final do túnel. Podemos esperar um espírito festivo após a pandemia e os organizadores de eventos e atrações estarão agora preparados para tirar o máximo partido do aumento da procura”.

 

Privação de eventos

O estudo revela que muitas pessoas dizem que passaram o confinamento com saudades dos eventos e a relembrar aqueles a que iam. Mais de metade (54%) passou o confinamento a partilhar memórias de eventos passados com amigos e familiares, e 51% admitiu ver concertos e eventos online ou na televisão como substituto dos eventos.

Uma grande maioria (78%) diz que “ver e/ou planear eventos com amigos ou família” faz com que se sintam felizes. Mais de seis em cada dez (63%) disseram que se sentiram aborrecidos, tristes e frustrados por não puderem ir a eventos durante os confinamentos.  “Aborrecido” é a emoção com maior pontuação na Geração Z (52%), no Reino Unido (48%), nos Millennials (47%), nos homens (44%) e na Geração X (44%).  “Tristeza” é mais elevada em Itália (48%) e Espanha (58%) e entre os Baby Boomers/Geração Silenciosa na Europa (45%).

Crescimento pós-traumático

O estudo revela que a pandemia encorajou as pessoas a apreciar mais as pequenas coisas e a atribuir um valor mais elevado ao que lhes foi negado.  Isto irá provavelmente resultar num período de maior valorização ou “crescimento pós-traumático” assim que as restrições forem levantadas.

No geral, seis em cada dez (61%) afirmaram que irão “valorizar mais as pessoas que adoram e/ou que vão valorizar mais a ligação com amigos e familiares através de experiências partilhadas” quando a pandemia terminar. Mais de metade (56%) diz que vai “aproveitar todas as oportunidades de viver a vida ao máximo e ou sair e divertir-se” após o fim do confinamento.

Em todos os grupos etários, as características de crescimento pós-traumático são mais evidentes nas gerações mais velhas, como os Baby Boomers e a Geração Silenciosa. As mulheres têm também maior probabilidade do que os homens de apresentar características de crescimento pós-traumático otimistas.

 

A Epson na área de projeção

A Epson é o maior fabricante mundial de projetores, com mais de um terço da quota de mercado mundial dos projetores. Especializa-se na produção de tecnologia de projeção laser 3LCD compacta, versátil e de elevada luminosidade para residências, escritórios, escolas, retalhistas e para instalações de grande escala em espaços de entretenimento, museus, galerias, eventos ao ar livre e atrações turísticas.

Os projetores laser de elevados lumens da Epson são utilizados para criar ambientes experimentais envolventes e interativos para eventos e atrações turísticas de destaque em todo o mundo. Exemplos recentes da tecnologia AV da Epson em utilização incluem Electric Forest Music Festival na América, a instalação TeamLab Borderless em Xangai e o Festival of Lights na Europa.

A tecnologia AV da Epson pode ser encontrada a ter impacto na produtividade de salas de aula e outros ambientes de aprendizagem em todo o mundo, melhorando a experiência de retalho e ajudando uma série de setores industriais com capacidades de assistência remota.

 

Sobre o estudo

A Epson solicitou à Arlington Research que realizasse um estudo em adultos com mais de 18 anos que estiveram em um ou mais eventos tecnologicamente melhorados nos últimos 12 meses. Foi realizado um inquérito online a 2500 inquiridos em cinco países da Europa: Reino Unido (500 inquiridos), França (500 inquiridos), Alemanha (500 inquiridos), Itália (500 inquiridos) e Espanha (500 inquiridos). Foram aplicadas quotas, pelo que a investigação teve uma divisão uniforme de homens e mulheres e uma divisão de idade e região por país.

 

[1] A Epson é o fabricante líder global de projetores em termos de quota de mercado em volume e valor, de acordo com dados da Futuresource. Os projetores laser de lumens elevados da Epson são amplamente utilizados em toda a indústria dos eventos para criar ambientes mais entusiasmantes, incluindo mapeamento de projeção em festivais, espetáculos ao vivo, espaços de arte e entretenimento, museus, galerias e atrações turísticas.

[2] O Professor Steven Taylor é mundialmente reconhecido no que toca ao impacto das pandemias no comportamento social humano. Em outubro de 2019 publicou um livro intitulado Psicologia das Pandemias https://www.drsteventaylor.com/books e deu participou numa TedX sobre o impacto psicológico da Covid.